OLÁ PESSOAL, ADQUIRA O MEU MAIS NOVO CD

30 de novembro de 2010 às 2:37 | Publicado em Uncategorized | 4 Comentários

LOUVORES PARA O CULTO INFANTIL

CAPA CD TIA AMANDA

HISTÓRIAS PARA FANTOCHES

2 de junho de 2010 às 11:13 | Publicado em Uncategorized | 12 Comentários
Tags:

OI GENTE! TOU POSTANDO AQUI ALGUMAS HISTÓRIAS PRA CONTAR COM FANTOCHES, TESTADAS E APROVADAS!!!

TÍTULO: Achei a Felicidade

BETO: Olá, Margarida! Não tenho visto você.

MARGARIDA: Estava de castigo, não pude sair.
BETO: De castigo? O que você andou aprontando Margarida?
MARGARIDA: Eu não estudei para a prova e as minhas notas não foram boas.
BETO: E quanto você tirou?
MARGARIDA: Dez, sem o um na frente
BETO: Dez?! Sem o um na frente? Então você tirou zero?
MARGARIDA: Fala baixo, ninguém precisa saber.
BETO: Margarida, seu pai tem razão. Você precisa estudar mais e brincar menos, senão vai ser pior. Voce não vai passar de ano. Cuidado, Margarida!
MARGARIDA: É, eu já pensei nisso e me arrependi de não ter estudado.
BETO: Margarida!
MARGARIDA: O que é, Beto?
BETO: Você viu?
MARGARIDA: Você viu o quê, Beto? O quê? Fala logo!
BETO: Você viu o circo que chegou na cidade?
MARGARIDA: Eu não, mas escutei um barulho de bandas tocando.
BETO: Foi o circo que chegou na cidade.
MARGARIDA: Beto, escuta só! Você está escutando alguém chorando? (ALGUÉM CHORA POR TRÁS DO CENÁRIO)
BETO: Estou, de onde vem este choro? Vamos ver? (BETO E MARGARIDA SE ABAIXAM, SAEM RAPIDAMENTE E ENTRA O PALHAÇO CHORANDO)
PALHAÇO: Buá! Buá! Buá! (BETO E MARGARIDA FALAM JUNTOS: “UM PALHAÇO CHORANDO!”)
BETO: Oh, seu palhaço! Por que você está chorando?
MARGARIDA: Eu achava que palhaço não chorava, só fazia palhaçadas.
BETO: O que houve?
MARGARIDA: É, vamos! Fale, o que houve? Qual é o seu nome?
PALHAÇO: Sabe o que é… eu consigo fazer todo mundo feliz, mas eu sou tão triste. Atrás desta máscara. eu escondo a minha Infelicidade.
MARGARIDA: Acalme-se seu, seu..
PALHAÇO: Paçoca. meu nome é Paçoca, Todos me chamam assim.
MARGARIDA: Acalme-se, Paçoca, nós estamos aqui e queremos ajudá-Io.
BETO: Qual é o seu problema?
PAÇOCA: Ninguém pode me ajudar, eu fui ao medico e ele me deu um bocado de remédios e não resolveu meu problema. Procurei um amigo, e todos estavam ocupados. Ninguém pode me ajudar!
BETO: Por que você está doente?
PAÇOCA: Não, não estou, tenho muita saúde
MARGARIDA: Está precisando de dinheiro?
PALHAÇO: Não, eu sou muito rico.
BETO: Já sei é advogado!
PAÇOCA: Não. Eu quero alegria e ninguém pode me dar nem ajudar. Se pelo menos eu pudesse comprar, mas nem isso posso.
BETO E MARGARIDA: Ah! Então é fácil
PAÇOCA: Fácil, como fácil? Vocês sabem de alguma solução?
BETO: Puxa, eu estava pensando que fosse um problema grave.
PAÇOCA: É grave, pois faço as pessoas sorrirem, se divertirem e no entanto, por trás da minha máscara, sou tão infeliz.
BETO: É fácil, Paçoca, você só precisa conhecer uma pessoa muito especial que se chama Jesus.
PAÇOCA: Jesus!
MARGARIDA: É, Jesus! Ele é o Príncipe da Paz, é a alegria que você tanto procura. Ele é o nosso Salvador! Vou cantar uma música para você. Escuta só, Beto, Vamos cantar aquele carinho que fala assim.
Cristo é realidade Cristo é realidade Ele não é sonho “: Ele é real
Ele é a paz, a alegria,
O amor, Ele é a vitória (bis) Estou falando de Jesus Cristo

PAÇOCA: Que lindo! E isso que eu preciso! Como posso vê-lo? Como posso falar com Ele?
BETO: Agora você não pode ver, porque Ele é Espírito, “. mas voce pode falar com Ele, pois nos ouve, e tudo pode fazer por você.
MARGARIDA: A Palavra de Deus fala assim em João .14.1: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus”, .e em João 14.14 nos diz: “Se pedirdes alguma coisa .em meu nome eu o farei”.
BETO: Sabe, Paçoca, Ele é como o vento. A gente não pode ver o vento, mas pode sentir.
MARGARIDA: Quando deixamos Jesus tomar conta de nossas vidas, Ele cuida de nós, nos livra do perigo e nos dá a paz que tanto precisamos.
BETO: Paçoca faz uma experiência com Jesus. Passe a conversar com Ele e fale pra Jesus onde é a sua dor. Ele é o Médico dos médicos, o nosso advogado e o nosso melhor amigo. Nunca nos desampara e nunca está ocupado.
MARGARIDA: Jesus ama você, Paçoca, e quer lhe dar a paz que tanto precisa. Deixa Ele tomar conta de você?
PAÇOCA: Eu deixo, eu deixo!
BETO: Então, abaixe sua cabeça, peça perdão por seus pecados e que Jesus tome conta de você.
PAÇOCA: Tá bom! (OS TRÊS ABAIXAM A CABEÇA E FAZEM DE CONTA QUE ORAM)
PAÇOCA: Puxa! Estou me sentindo bem, parece que alguma coisa me modificou. Estou sentindo uma paz… Estou alegre.
BETO: Que bom! Você encontrou a felicidade.
MARGARIDA: Paçoca, vou lhe dar esta Bíblia. Ela vai ensinar a você como chegar ao céu e ver Jesus face a face.
BETO: Leia com atenção, pois aí tem resposta para tudo que você quiser.
PAÇOCA: Obrigado, meus amigos! Eu encontrei a felicidade que tanto precisava. Vou ler a Bíblia agora mesmo. Tchau! Até breve!
Margarida e Beto cantam:

A alegria está no coração, De quem já conhece a Jesus
A verdadeira paz só tem aquele Que já conhece a Jesus
O sentimento mais precioso Que vem do nosso Senhor É o amor que só tem
Quem já conhece a Jesus!

TÍTULO: O CEGO BARTIMEU

A – Vais sempre à escola dominical?
B – Claro que sim!
A – Sempre?! Sem falhar?
B – Sem falhar… só quando fico doente.
A – Ah!!!! Então o que é que sabes sobre a Bíblia?
B – Sei uma coisa que tu não sabes.
A – O que é quê sabes da Bíblia que eu não sei?
B – Sei quem foi o homem mais feio da Bíblia.
A – Não me lembro da Bíblia falar de alguém feio…
B – Eu não te disse que sabia uma coisa que tu não sabes?
A – E quem era ele? Diz lá quem era o homem mais feio da Bíblia!
B – Chamava-se Bartimeu. E está escrito no Evangelho de Marcos no capítulo 10.
A – Eu conheço essa história e a Bíblia não diz que Bartimeu era feio.
A Bíblia nem explica como ele era…
B – Ai isso é que diz!
A – Ai, não diz não!
(continuam a insistir)
A – A Bíblia só diz que Bartimeu era cego.
B – Era isso que eu queria dizer! Por ele ser cego é que não era bonito.
A – Parece impossível! E que mais sabes tu sobre Bartimeu? Sabes onde é que ele vivia?
B – Vivia na cidade das palmeiras… numa casa em cima de uma árvore.
A – É mentira.
B – Eu sei, eu sei, estava só a experimentar-te!
A – Pois, pois, só queres saber se eu sei… Muito espertinho. E já agora, sabes como se chamava a cidade das palmeiras?
B – Claro, chamava-se Jericó!
A – E também sabias que Jericó significa “ a cidade da lua”?
B – Não, não sabia porquê?
A – Porque havia um culto de adoração à lua naquela cidade.
B – Ah! Já estou a perceber! A lua aparece e eles começas a adorá-la durante toda a noite… Então e quando é que vão dormir?
A – Isso não interessa, o que interessa é que Jesus foi até lá.
B – Para adorar a lua?
A – Não palerma. Ele não ia adorar a lua. Ele criou a lua. Jesus foi lá falar das boas novas do Evangelho.
B – Ai foi?
A – Sim, e quando ia a passar, Bartimeu ouviu-o.
B – Essa parte já eu sei! E disse-lhe: “Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim”.
A – Mas disseram-lhe para se calar…
B – Sim, mas ele ainda gritou mais alto “Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim”.
A – E sabes o que Jesus fez?
B – Mandou que fossem buscar o homem, depois perguntou-lhe o que é que ele queria.
A – E o que é que Bartimeu respondeu?
B – Não me lembro…
A – Pensa bem… o que é que ele queria?
B – Deixa-me pensar… uma bicicleta!
A – Não palerma… uma coisa ainda melhor!
B – Ah! Já sei, melhor que uma bicicleta só uns patins em linha!
A – Estás a ficar cada vez pior! Ele disse: “Senhor, que eu veja”.
B – Ah! Pois foi! Já me lembro!
A – E Bartimeu começou a ver. Jesus fez um milagre com Bartimeu e também fez milagres em pessoas como nós.
B – Como?
A – Nos dias de hoje as pessoas podem deixar de ser cegos espirituais se entregarem a sua vida a Jesus.
B – Tens razão, mas como?
A – primeiro têm que reconhecer perante Deus que dão pecadores.
B – Certo!
A – Depois tem que pedir perdão a Deus pelos seus pecados
B – O que são pecados?
A – São todas as maldades: mentir, roubar, enganar, bater, desobedecer…
B – Pronto, pronto, já percebi…
A – E por ultimo, precisam de pedir a Jesus que os salve. Só Jesus pode salvar os pecadores porque foi Ele que morreu na cruz e pagou o castigo por todas as nossas maldades.
B – Coitadinho…
A – Ele fez isso porque nos ama muito, mas não ficou morto. Ressuscitou e está vivo no céu, ao lado de Deus o pai.
B – Como é que tu sabes tantas coisas?
A – Por uma razão muito simples. È que eu também venho à Escola Dominical todas as semanas mas não estou a rir nem a conversar durante a lição.

TÍTULO: O chocolate

Num belo dia Maria encontra Magali e a convida para brincar de casinha. Enquanto isso aparece o Gugu:
– Ô, ô meninas, meninas… vocês viram o Zé por aí?
-Não!!!
– Que penas! Eh, é que eu quero jogar futebol. Eu tô louquinho pra jogar… ouvem-se uns assobios… o Zé está chegando e eles combinam o jogo.
– Epa! Antes eu quero contar uma coisa pra vocês – sabem o que é? Eu ganhei um presentinho do meu avô!
A curiosidade de todos é grande!
– É chocolate!
– Uuh, o quê? Uh, eh… eu sou louco por chocolate!! – diz o Gugu.
– Você vai repartir com a gente? – pergunta a Maria.
– Sim, vou repartir em quatro partes iguais. Só que tem um probleminha…
– Probleminha? – pergunta o Gugu.
– A minha mãe mandou que eu fosse ao supermercado antes de comer o chocolate. Mas eu posso ir correndinho e voltar aqui…
– Ah, não, não!! Vamos comer agora…Eu to com vontade de comer agora! – diz o Gugu.
Mas o Zé fica firme em obedecer a sua mãe e a Magali diz:
– Gugu, ele não pode agora! Depois comemos todos juntos!
Eles se despedem e o Zé sai correndo.
As meninas decidem brincar de bonecas. O Gugu fica sozinho e lamenta:
– Eh… ah… só abriu o meu apetite, né… e agora vai embora, eh… tenho que esperar… não to a fim de esperar… queria comer agora, eh…
O Gugu se aproxima do chocolate:
– Uh! Uau! O chocolate tá aqui… eh… que vontade de comer…O chocolate não é meu… é do Zé… e – eu não posso comer! Mas, mas se eu comer só um? Tem dois… é… eu vou comer só um. Ninguém vai descobrir que fui eu… slept!
– Que gostoso que tava, eh… deu até vontade de comer o outro. Você não tá pensando que eu vou comer esse também, né? Eh… mas eu to, eh… Eu vou só dar uma lambidinha… é isso aí! Slept! Ui… Ninguém tá vendo! É, eu vou comer! Slept! Eheee!
Magali está à espera dos outros. Por que estão demorando tanto? A Maria chega ofegante:
– Maga, Maga, Maga, vocês já comeram? Vocês não me esperaram?
– N-não! Nós não comemos ainda.
A Maria arrumou os brinquedos e veio rapidinho, mas ainda faltam o Zé e o Gugu… Ouvem-se uns assobios e de repente aparece o Zé:
– Cadê o Gugu?
– É mesmo, onde será que ele está? – pergunta a Magali.
– Ele era o mais gulosão de todos! Que esquisito que ele não veio ainda! – disse a Maria.
– Eu já sei! A gente divide o chocolate em quatro partes iguais, e depois damos a parte do Gugu pra ele! – sugeriu a Magali.
– Isso mesmo! – disse a Maria.
E o Zé foi procurar o chocolate:
– Eu deixei o chocolate por aqui de pezinho… opa! Não tá mais! Me ajuda a procurar, Maria?
– Tá bom! Será que caiu aqui atrás? Ma-, ma-, mas não está! – diz a maga.
– N- n – não achei. Não achei! Não achei!
– Mas como?
Maria e Magali ficam muito preocupadas.
– Vai ver que roubaram! – disse o Zé. Mas quem foi?
De repente a Maria acha que descobriu quem foi:
– O Gugu não apareceu ainda; e os chocolates também não estão aqui: será que ele não pegou os chocolates? Vai ver que ele comeu sozinho! Eu vou pegar aquele Gugu!
– Mas, espera um pouquinho – diz a Maga. A gente não pode julgar antes de saber a verdade, não é?
O Zé concorda e eles resolvem investigar:
– Vamos à casa do Gugu, ver o que aconteceu.
– Será que tem alguém em casa? Está tudo tão quieto…
Eles começam a chamar:
– Gugu! Gugu!…
– Aaaaiii!!!…
– Nossa! Vem aqui! – diz o Zé.
– Aaaaiii!!!…
– O que aconteceu?
– Ai, ai… eu to com dor de barriga!!!
– Dor de barriga? – perguntam os três de uma só vez.
– Gugu, vem cá! – chama a Maria.
– Tá legal! Eh… eu vou. Ai, ai que dor de barriga. Aaai!!!
– Calma, calma, calma. O que foi?
– Ai, eh… eu tenho que ir ao banheiro. Ai! Socorro!
– Zé! Vá lá ver… vá ver o que aconteceu! – pede a Maria.
– Uau! Meninas, meninas, o Gugu vomitou só chocolate!
– Ah, então foi ele, diz a Magali.
– Oolá, pessoal. Puxa, eu me sinto tão aliviado. Parece que saiu assim um peso da minha ba – – eh… parece que saiu um peso assim… de mim.
– Espera aí: parece que saiu um peso assim do quê? Ba – ba – o quê? – pergunta o Zé.
– Na – nada!
– Pode terminando!!
O Gugu se fez de desentendido e convida os outros para brincar.
– Brincar? Você não sabe que foram roubados os chocolates do Zé? Pergunta a Maria.
– Não pode ser! Zé: nós como homens, temos que pegar o ladrão!
– Bom, eu vou lá buscar um espelho e dou para você se olhar, tá legal?
– O quê?
– É isso aí! – diz o Zé.
– É, Gugu. Nós sabemos que foi você. – fala a Maria.
– Eh… ah… vocês sabem?
– Sim, sabemos.
– Eh… mas como? Eu pensei que ninguém estava vendo… eu olhei, olhei, olhei e ninguém estava vendo que fui eu.
– Gugu! Alguém estava vendo, sim! Alguém que vê todas as coisas. – diz Maga.
– É mesmo? E quem é?
– Esse alguém é Deus – diz o Zé.
– Deus?!
A Magali conta que não podemos esconder nada de Deus. Ele vê todas as coisas. E Ele sempre vai dar um jeitinho para que as pessoas descubram o que as outras fazem escondido.
– Ah, snif. Eu estou tão arrependido. Eu não devia ter feito isso não! Vocês me perdoam?
– Você me perdoa, Zé? O chocolate era seu, né? Oh… eh… me perdoa?
– Olha aqui, pensando com os meus botões, eu te perdôo sim, sabe?
– Perdoa?
– Você não é meu amigão? Vem cá, me dá um abraço!
– Mas, Gugu, você precisa pedir perdão para Deus também, pois você roubou. pegou uma coisa que não lhe pertencia. – lembra Magali.
– É… então vou pedir perdão agora mesmo! – e faz uma oração:
– Senhor Jesus, eu peço que o Senhor me ajude, e que me perdoe desse roubo e dessa mentira que eu fiz. Eu nunca mais quero fazer isso. Em nome de Jesus. Amém.
– Puxa, como estou feliz agora! Como é bom a gente sentir que Deus perdoa! Agora eu aprendi que Deus vê todas as coisas!
Eles cantam juntos:
– Cada passo que dás,
Pela senda em que vais
Há um Deus que te vê.
Que te vê, que te vê.
Olhe bem pela senda em que vais.
Deus te vê, Deus te vê:
Enganá-lo jamais poderás.

Sugestões para líderes e professores da Escola Dominical

13 de abril de 2010 às 2:32 | Publicado em Uncategorized | 18 Comentários

Pra vc coordenadora de Departamento Infantil, trate sempre com carinho sua equipe:

Seria bom que vocês fizessem planos para que o domingo se prolongasse. Estas são algumas sugestões que podem ser de ajuda:

1.      Torne cada parte da Escola Dominical tão viva, significativa e interessante que as crianças não consigam esquecê-la durante a semana.

2.      Torne precioso cada minuto da Escola dominical.

3.      Assegure-se de que ao as crianças deixarem a classe da Escola Dominical saibam qual é seu alvo ou tarefa espiritual para a semana seguinte. Elas poderiam escrevê-lo.

4.      Vez por outra, contate a criança durante a semana. Pergunte como ela está passando e lembre-a do alvo para a semana.

5.      No início do programa, a cada semana, peça a várias crianças para contarem a respeito de como cumpriram o alvo ou a tarefa da semana. Logo a memória delas irá melhorar e irão levar a sério seu alvo.

RENOVAÇÃO DA SALA DA EBD

1.      Verifique quanto tempo faz desde que a sala foi pintada pela última vez. Se necessário, veja que as paredes sejam pintadas. Ou, se não for possível, procure lavar as paredes, o chão, mesas e cadeira, etc.

2.      Avalie detidamente toda as figuras – de feltro e impressas. Os cantos estão amassados, o papel está amarelado? As pessoas retratadas são de décadas atrás? Se este for o caso, comece a buscar materiais novos e atualizados.

3.      As flores de plástico realmente indicam a idade de sua sala. Elas são de fato necessárias? Será que poderiam ser substituídas por plantas verdadeiras ou por flores de seda?

4.      Dê uma boa olhada nas cortinas e nas janelas. Elas permitem a entrada suficiente de luz? Será que uma cortina nova e mais clara não daria maior luminosidade? As crianças ficam de frente para as janelas? Se este for o caso, veja que fiquem de costas para a janela.

5.      Sua sala possui um mural ou outra estrutura similar bonita? Veja se há necessidade de reformulá-lo.

SUGESTÕES PARA OS MOMENTOS DE LOUVOR

As crianças de todas as idades ainda gostam de cantar – assim como o faziam as crianças das décadas de 1950 e 1960. Hoje, há muitos mais hinos disponíveis. Estas são algumas sugestões para tornar os momentos de louvor mais significativos em sua Escola Sabatina:

1.      Escolha um repertório de 15 a 20 hinos para serem cantados na Escola Sabatina até que as crianças saibam cantá-los bem. Inclua, pelo menos, cinco hinos novos a cada ano. Ensine um hino por vez.

2.      Proveja a letra para as crianças que sabem ler, mas incentive-as a memorizarem a letra o quanto antes possível.

3.      Incentive as crianças a cantarem bem e elogie-as por isso.

4.      Introduza variedade na forma de cantar ao, de vez em quando, ver que um verso seja cantado em solo ou ao pedir que os meninos cantem um verso e as meninas outro.

5.      Se possível, utilize instrumentos. Talvez uma ou mais crianças na sala saibam tocar.

6.      Incentive os estilos musicais ponderados e reverentes. Elogie as crianças, as fileiras ou seções que estão cantando bem.

SUGESTÕES PARA MOSTRAR APRECIAÇÃO

Estas são algumas expressões de agradecimento que podem ajudá-lo em seu esforço de demonstrar apreciação por aqueles que trabalham com você, quer sejam remunerados, voluntários ou pais:

Uma vela: “Obrigado por deixar sua luz brilhar”.
Um potinho com balas de goma: “É muito gostoso trabalhar com você”.
Cesta com frutas: “Para alguém cheio dos frutos do Espírito”.
Pão feito em casa: “Obrigado por ser o fermento do reino de Deus”.
Vidro com suco de uva: “Obrigado por sua efervescência”.
Depois do período de férias ou ausência, anexe um cartão a uma lixa: “Foi difícil sem a sua presença”.
Escreva uma mensagem de agradecimento no verso da foto onde mostra a pessoa em ação.
Uma caneca com guloseimas.
Uma camiseta de “obrigado” decorada pelas crianças.
Diário para registrar as lembranças durante o ano.
Cesta com chás diversos.
Um vasinho de flores.
Bolsa/pasta para carregar o material da igreja.
Avise as pessoas que você está orando por elas.
Avental (para a pessoa que deu aulas de culinária para as crianças).
Cartão personalizado de A a Z (Atencioso, Bem-disposto, Camarada, etc.).
Descubra o doce, música, flor –  preferida da pessoa. Dê um presente inesperado.
Na igreja, vez por outra, faça reconhecimento público.
Realize, a cada bimestre, reuniões de treinamento sobre tópicos diferentes: idéias, disciplina, etc.
Observe como a pessoa alcança as crianças e felicite-a por isso.
Coloque no mural uma mensagem de agradecimento.
Faça pegadas humanas em cartolina, anote os nomes dos voluntários, e coloque-as na direção de um cartaz de agradecimento.
Sorria e ria com freqüência.
Empregue sua criatividade e acrescente itens a esta lista. A última sugestão aqui: Deixe as pessoas saberem que você as aprecia.

Feryl Moorhouse Harris é Diretora dos Ministérios da Criança da Associação Mountain View e defensora das crianças e dos líderes dos ministérios das crianças.

[Extraído de Kids’ Ministry Ideas, janeiro – março de 2005, p. 5.]

Como levar as crianças a vivenciarem as histórias

13 de abril de 2010 às 1:29 | Publicado em Uncategorized | 3 Comentários
Tags: ,

Como Contar Histórias a Crianças Pequenas

“…vocês devem brilhar como as estrelas no céu, entregando a eles a mensagem da vida” (Filipenses 2:15, 26, BLH).

“Gostaria que todos vocês sentassem com as pernas cruzadas e se assentassem sobre elas, a fim de que seus pés não sejam vistos. Assim como eu estou fazendo. Veja se você consegue esconder seus pés, João. Muito bem. Agora irei contar-lhes uma história maravilhosa a respeito de um menino cujos pés estavam há tantos anos quebrados que ele não conseguia correr ou saltar ou brincar. Ele tinha de sentar-se assim como estamos agora – porém, não por alguns instantes, mas o tempo todo. Seu nome era Mefibosete”.

Fazer com que as crianças vivenciem a história exige participação ativa de todos os sentidos: tato, olfato, visão, audição, paladar e emoções. Requer toda a energia e concentração que você pode reunir a fim de que o sucesso venha na proporção direta do quanto você investiu na história. Quando a história se torna viva, você verá fascínio em dezenas de olhos atentos, irá se alegrar ao ver que a atenção está na história e que as conversas paralelas cessam. Seus ouvintes devem distanciar-se da sala da Escola Sabatina enquanto caminham lado a lado pelas ruas poeirentas com Jesus, com Rute, Paulo, Eva, Davi.

Para ser bem-sucedido ao contar a história, damos algumas sugestões:

1. Busque a mensagem central da história e escreva-a em uma única sentença. Repita essa sentença várias vezes durante a história a fim de que as crianças a memorizem. Na história de Mefibosete, a mensagem central é: “Embora você possa se sentir como um cão morto, vindo de “lugar nenhum”, Deus o vê como um de Seus filhos favoritos”.

2.   Leia a história e atente para os momentos sensoriais. Como Mefibosete sentiu a diferença ao trocar suas roupas ásperas pelas roupas de seda de um príncipe? Qual era o aroma do palácio? Como o cheiro era diferente de sua casa em Lo-Debar? De que cores eram as cortinas nos aposentos do palácio? Descreva o som da voz do rei Davi. Como sua voz soava a Mefibosete?

3.   Busque os detalhes da história. Onde ficava Lo-Debar? Por que Mefibosete estava escondido lá? Qual é o significado do nome da cidade? Quem o escondeu lá? Por que ele se sentia como um “cão morto”? Como ele imaginava que Davi iria tratá-lo? As respostas a perguntas como essas irá encher sua história com detalhes fascinantes que a tornam mais verossímil, pessoal e real. Sua melhor fonte de pesquisa inclui livros sobre a vida e tempos bíblicos, comentários bíblicos, dicionários bíblicos e notas marginais de seu estudo da Bíblia. Mantenha seus olhos abertos aos detalhes que poderiam chamar a atenção das crianças e levá-las a se maravilharem.

4.   Escolha palavras sensoriais e use-as de forma descritiva. Enquanto seca a testa e sorve longamente a água do copo, dê um suspiro profundo e diga: “Mefibosete vivia em uma cidade quente e poeirenta”, as crianças deveriam sentir-se suadas e com sede. Algumas delas de fato irão imitar seus gestos e suspirar junto com você. Quando o rei Davi coloca Mefibosete para sentar-se à sua mesa, descreva como as almofadas eram macias, o cheiro delicioso da comida e o sabor gostoso do suco fresco de maçã.

5.   Envolva os sentidos das crianças. Faça-as sentarem-se como Mefibosete se assentava, com os pés que não podiam caminhar, escondidos sob o corpo. Faça com que encenem como se estivessem com medo do rei, assombrados com a vista a Jerusalém, repelido por cheirar como um cão morto, e admirados com o alimento delicioso na mesa de Davi.

6.   Esteja preparado para as respostas das crianças. As crianças gostam tanto de participar quanto de ouvir. Se a sua história for bem-sucedida, as crianças terão se envolvido e estarão buscando retratos de sua própria vida ao sua história repassar o vídeo da vida de Mefibosete. Quando você descreve os sentimentos de tristeza dele, “como um cão morto”, esteja preparado pois a criança irá desejar falar a respeito de seu bichinho de estimação que morreu. Outra poderá lembrar-se de haver caminhado por um lugar poeirento e quente e outras ainda desejarão falar a respeito de seus alimentos prediletos – “assim como Mefibosete à mesa do rei”. Quando a criança o interrompe para descrever algo de sua própria vida, ouça, reafirme e então ligue o comentário à sua história. “Lucas, estou triste de que você já tenha caminhado por um lugar poeirento e quente. Foi assim que Mefibosete se sentiu quando teve de deixar o palácio onde vivia com seu pai. Mas, quando Mefibosete chegou em Lo-Debar …”

7.   Ore para que Deus capacite sua imaginação a fim de que seja capaz de contar a história de forma honesta, clara e interessante. Quando findá-la, peça às crianças para resumi-la. Portanto, quando vocês estão realmente tristes e sentem como se ninguém se importasse, que sentimentos Deus tem por vocês? Ouça-lhes a resposta e então use sua mensagem central para consolidar o significado da história na mente das crianças.

Acima de tudo, lembre-se de que ao contar a história você está sendo a voz de Deus, descrevendo-Lhe o caráter às crianças.

[Extraído de Kids’ Ministry Ideas, janeiro-março de 2005, pp. 6-7.]

Tu me amas? Então… apascenta meus cordeirinhos!

30 de março de 2010 às 4:17 | Publicado em Uncategorized | 2 Comentários
Tags: ,

Jesus

Troque o coelho pelo Cordeiro…

30 de março de 2010 às 3:38 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Jesus é a nossa Páscoa!
Planejamento do Culto de Páscoa dos meus alunos no DIBB (Departamento Infantil do Betel Brasileiro) – Geisel:

* Abertura: Tia Amanda – Boas Vindas e oração Inicial
* Cantico da EBD: Hoje é domingo
* Tema e lema da nossa Páscoa 2010: (Tia Claudia)
Tema: Jesus é a nossa páscoa!
Lema: Leitura bíblica – “Se o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livre” João 8:36
* Equipe de louvor com músicas e gestos: 5 canticos
* História Bíblica: “A libertação da escravidão” – A ovelhinha LAMBI
Ênfase: Em Cristo nós tbm somos libertos do pecado; Jesus é o cordeiro de Deus que nos livra da maldição da morte eterna; os simbolismos da páscoa: o pão , o vinho e o cordeiro”
* Atividades para cada Classe:
Maternal – Colorir a ovelhinha e colar algodão pra ficar bem fofinha!
Primários – Montar um cartaz coletivo “Eu sou uma ovelhinha de Jesus” com pequenas ovelhinhas que eles irão pintar cada um personalizando a sua de acordo com suas caracteristicas! vai ficar liiindo!
Juniores – Criação de um acróstico, com o texto sendo elaborado coletivamente, no final o apresentaremos em forma de jogral.

Lanche: Serviremos pão com patê e fanta uva, fixando o conteúdo do simbolismo dos elementos da santa ceia.
Culminancia:
OS TRABALHINHOS SERÃO EXPOSTOS À NOITE QUANDO NOS APRESENTAREMOS COM TODAS AS CRIANÇAS E PROFESSORES, UMA PEÇA TEATRAL QUE ENSAIAMOS COM AQUELA MÚSIA DE SHIRLEY CARVALHAES “FARAÓ OU DEUS” ONDE ENSENAREMOS A TRAVESSIA DO MAR VERMELHO”

O Senhor é o nosso Pastor, e nós suas ovelhas!

Jesus, Tu és o nosso Pastor… e nós as ovelhas do teu rebanho!

Idéias para Páscoa!!!!

18 de março de 2010 às 1:37 | Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Sugestões de peças rápidas ou teatro de fantoches:

Nunca Vi Coelho Botar Ovo

THIAGO: Coelhinho da páscoa que trazes pra mim: um ovo, dois ovos, três ovos assim? oi, Helem! Hoje é Páscoa! Você já ganhou muitos ovinhos?
HELEM: ai, Thiago, tudo bem? Eu ganhei um grandão.
THIAGO: Eu também, agora estou esperando os coelhinhos colocarem mais ovinhos. Tive que sair de perto deles. Acho que eles estão com vergonha de mim, e por isso ainda não colocaram ovos.
HELEM: Thiago, você pode ficar sentado esperando, porque em pé vai cansar. Nunca vi coelho botar ovo!
THIAGO: Coloca, sim!
HELEM: Não coloca, não! Eu também pensava que fosse o coelho.
THIAGO: E quem fez o nosso, então?
HELEM: A minha mãe disse que as casas de doce fazem os ovos e os embrulham num papel bem bonito
THIAGO: Eu não tinha pensado nisso.. Sempre achei que fosse o coelho. Ah! Agora você ficou muito sem graça. E por que o coelho foi escolhido para distribuir ovos se eles não colocam ovos? Por que não escolheram a galinha?
HELEM: Foi uma maneira que arrumaram de não, acabar com os costumes das antigas civilizações. Eles escolheram o coelho, porque é a única espécie de animal de fácil reprodução. É considerado símbolo da fertilidade e, como de cada ovo nascem vidas, juntos simbolizam a vida. Por outro lado, foi uma forma de o comércio continuar com a lenda de muitos anos atrás de presentear parentes e amigos com ovos. Mas o mais importante e o mais bonito da Páscoa não são os ovos.
THIAGO: Mais importante e o mais bonito? E o que é?
HELEM: o mais bonito é a história da Páscoa. Ela conta que Jesus Cristo deu a sua vida para nos salvar. Ele é o Cordeiro Pascal.
THIAGO: Eu não conheço essa história. Eu gosto muito de ouvir histórias. Conta pra mim, conta!
HELEM: Está bem, presta atenção! A primeira Páscoa aconteceu no Egito. Deus libertou das mãos malvadas de Faraó um povo hebreu que sofria como escravo. Ele mandou nove pragas para o povo egípcio, mas Faraó não deixou os hebreus irem embora.
THIAGO: E o povo hebreu também sofria com os egípcios?
HELEM: Não. Nada acontecia com o povo hebreu, só com os egípcios.
THIAGO: Que maravilha! Continua, continua!
HELEM: Deus tornou a falar: “Deixa sair o meu povo”, mas Faraó, com o coração duro, não obedeceu a Deus E aí, Deus ordenou ao povo hebreu que passasse sangue de um cordeiro nas vigas e nos umbrais das portas, porque naquela noite o anjo da morte tocaria em cada um dos primogênitos dos egípcios, e eles reconheceriam o poder de Deus e os libertariam.
THIAGO: E isso teve mesmo que acontecer, para que fossem libertos?
HELEM: Não teve jeito. Infelizmente existem pessoas que têm seus corações tão duros que querem medir forças com Deus. Então, só quando acontece alguma coisa grave reconhecem o seu poder.
THIAGO: E eles saíram livres?
HELEM: Sim, saíram. Os egípcios sofreram com a morte de seus filhos e deixaram o povo de Deus partir. Mas mesmo assim Faraó mandou um exército atrás dos hebreus para matá-los. E Deus os livrou, abrindo o mar para eles passarem a seco. Já pensou um grande mar se abrindo para a gente passar?
THIAGO: Um grande milagre
HELEM: Os egípcios que vinham atrás morreram todos afogados, pois o mar se fechou para aquele povo mau que não obedeceu a Deus. Morreram todos! E assim, eles comemoravam todos os anos a primeira Páscoa -a sua liberdade, lembrando a promessa de um Salvador.
THIAGO: Mas, Helem, por que Jesus é o Cordeiro Pasca!?
HELEM: Porque desde o início da criação, em que Adão e Eva haviam pecado, Deus tinha prometido enviar um Salvador, alguém que venceria Satanás e a morte. O nossos pecados seriam perdoados através dEle. Então Jesus seria o nosso Salvador, pois veio ao mundo para nos libertar. Deu a sua vida na cruz do Calvário, os comprou com o seu sangue precioso e nos resgatou das mãos do inimigo. E todo o poder lhe foi dado no céu e na terra.
THIAGO: Que amor tão grande de Jesus por nós de dar a sua vida para nos salvar!
HELEM: É, os inimigos de Jesus achavam que por Ele ter morri do ali, na cruz, tudo estava acabado. Muitos riram, caçoaram de Jesus e disseram: “Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo”. Ele poderia sair dali e dar uma surra em cada um, mas quando ao terceiro dia Ele ressuscitou, màstrou a todos que era o mais poderoso e que ninguém poderia vencê-Ia.
THIAGO: Pobrezinho, teve que passar por tudo isso por nós!
HELEM: Sim, Ele não tinha nenhum pecado e morreu pelos’ nossos pecados. Existem pessoas que ainda não conhecem o verdadeiro sentido da Páscoa. Ainda não reconheceram Jesus como Salvador de suas vidas. Elas precisam saber que Jesus é o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo e que para terlo seu nome escrito no Livro da Vida e morar no céu precisam aceitá-Ia como Salvador.
THIAGO: Eu quero aceitar Jesus na minha vida como meu Salvador, porque foi Ele quem deu a sua vida por mim.
HELEM: Muito bem, Thiago! Toda honra e toda glória têm que ser dadas ao único Salvador, Jesus Cristo. E que você nunca esqueça do significado da Páscoa.
THIAGO: Nunca vou me esquecer dessa linda história de amor de Jesus Cristo. Agora também vou passar a agradecer a Deus pelo que fez por mim.
HELEM: Que bom! Tchau, Thiago! Tenho que ir.
THIAGO: Tchau, Helem, obrigada! Até logo! Tchau!
Postado por EVANGELISMO INFANTIL às 17:46

Uma Aventura na Páscoa
Nesta história os três, Disci, Pulu e zinho divertem e animam a plateia, enquanto aproveitam pra falar sobre o significado da páscoa.

É uma ótima apresentação para ser feita com fantoches!

OS TRÊS – Bom dia! Em Deus faremos proezas!
DISCI – Sou a Disci, uma menina muito feliz.
Que faz sempre a lição
E a verdade sempre diz.
E com um lindo sorriso..
PULU – Vive comendo giz!!! (gargalhadas)
DISCI – Sem graça…
PULU – Brincadeirinha…
ZINHO – Zinho é o meu nome,
Gosto muito de estudar.
Faço tudo com carinho e dedicação.
PULU – Mas tem um furo no meio do calção! (gargalhadas)
ZINHO – Pulu!
PULU – Brincadeirinha… Eu sou Pulu. Amo Jesus e meus irmãos,
Leio sempre a Bíblia
E sou muito feliz…
DISCI E ZINHO – Mas vive metendo o dedo no nariz… (gargalhadas)
PULU – Não vale! Não vale!
DISCI – Vejam! Quantas crianças!
PULU – Uma mais linda que a outra!!! E aí? Tudo em cima?
ZINHO – É muito bom estar aqui na Igreja de Crianças…
DISCI – A festa hoje está linda!
PULU – Você disse festa? Cadê o Bolo?
DISCI E ZINHO – Pulu!
PULU – Foi mau…
ZINHO – Estamos comemorando a Páscoa!
PULU – Será que horas que vão trazer os ovos de chocolate? Eu quero um ovo bem grandão!
DISCI – Pulu, não acredito, você ainda não sabe o verdadeiro sentido da Páscoa?
PULU – Sei, ou melhor, mais ou menos.
ZINHO – O faraó estava com seu coração endurecido e escravizava o povo de Deus. Através de Moisés, Deus enviou 10 pragas para os egípcios. A décima praga foi a morte dos primogênitos.
DISCI – O faraó deixou o povo ir embora do Egito. Os primogênitos do povo de Deus não foram mortos, pois Deus mandou que o povo passasse sangue de um cordeiro nos umbrais das portas, para protege-los do anjo da morte.
ZINHO – O sangue de Jesus, também nos livrou da morte. Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Isso é páscoa! A festa que lembra esses acontecemientos, a libertação do povo de Deus através do sangue do cordeiro. A nossa libertação pela morte e ressurreição de Jesus!
PULU – Que lindo turma! Como Deus é maravilhoso! Eu amo Jesus! Como é que a páscoa foi virar coelho botando ovo de chocolate? Que absurdo!
DISCI – Jesus morreu pelos nossos pecados.
ZINHO – E ressuscitou ao terceiro dia. Hoje é dia de Festa!
PULU – Você disse festa? Cadê o bolo?
DISCI E ZINHO – Pulu!
PULU – Foi mau. Nesta semana, eu quero falar pra todos meus amiguinhos sobre o verdadeiro sentido da páscoa, tenho muitos que ainda não sabem.
ZINHO – Eu também…
DISCI – Zinho, eu tenho uma dúvida, é pecado então comer o ovo de chocolate? Eu ganhei um ovão do meu tio, o que faço com ele?
PULU – Pode me dar essa parada, morô? Eu sei o que fazer com ele…
ZINHO – Não Disci, não é pecado. Você pode come-lo, pecado é trocar o verdadeiro sentido da páscoa por ovo de chocolate. Não precisa jogar o ovo fora, mas não se esqueça de ensinar seu tio o que é a páscoa, ok?
PULU – É o seguinte, pintou um lance aí… precisamos ir.
DISCI – É Verdade, a festa precisa continuar.
PULU – Você disse festa? Cadê o bolo?
DISCI E ZINHO – Pulu!
PULU – Foi mau!
ZINHO – Gente, foi um prazer estar aqui com você…
DISCI – Um grande beijo da turma dos Discipulozinhos.
PULU – E não se esqueçam!
OS TRÊS – Em Deus faremos proezas!
Em Deus faremos proezas!
Em Deus faremos proezas!
Fonte:http://www.teatrocristao.net/texto/discipuluzinhos_em_uma_aventura_na_pascoa

(Essa é a Minha escolhida pra contar aos meus alunos! vamos usar as imagens no data show, mas vc pode imprimir e usar como quiser!)
LAMBI – Uma história de liberdade

(Baseado em Êxodo 12)

História extraída da revista argentina “El puentecito”. Ilustrada no Photoshop pela Pra Gabriela Pache de Fiúza. Dedico esta história a MIGUEL GOMES e a querida TELMA TAVARES, dois amados seguidores do nosso blog.

Figura 1

Josué era um menino Israelita, morava no Egito com a sua família como escravo. Todo Israel esperava a libertação vinda do Senhor.
Ele sentava na calçada esperando o pai voltar para brincar, mas quando via ele chegar cansado sabia que de novo não brincaria. Mas ele se consolava com o seu cordeirinho Lambi, seu grande amigo. Josué só tinha Lambi.

Figura 2

Chegando à noite o pai disse para a família
-Fiquei sabendo que Moises vai falar com Faraó, ele vai pedir para que Faraó deixe Israel ir adorar a Deus.
Toda a família recebeu a noticia com medo, pois sabiam que Faraó era um senhor terrível e dificilmente os libertaria.

Figura 3

Depois dessa conversa, enquanto Josué ajudava sua mãe com a louça, começou a pensar o que esperaria por ele daí alguns anos. Josué era o primogênito da família, ou seja, o primeiro filho, e logo deveria trabalhar duro como escravo. Isso o entristecia muito.

Figura 4

Passados uns dias Moises convocou os homens Israelitas, e disse que essa seria a noite da libertação, e que todas as famílias de Israel deveriam seguir as instruções que Deus dera.
Os homens ficaram muito felizes e se dispuseram obedecer a Palavra de Deus.

Figura 5

De noite, Josué viu seu pai com um certo nervosismo, e ainda por cima de faca na mão saindo de casa. Josué decidiu segui-lo. E para sua surpresa, viu que seu pai estava indo direto para o curral pegar Lambi, seu cordeirinho.
Josué deu um grito de desespero.
– Não pai!!! esse é o meu cordeirinho!!! ele é meu amigo!!! O que o Senhor vai fazer com ele?
-Meu filho, esse é o melhor cordeirinho que nós temos para ser oferecido em sacrifício; ele não tem nenhum defeito. Deve ser este. Sinto muito meu filho.

Figura 6

O pai não duvidou nem por um momento, e matou Lambi.
-Por quê papai? Por que o senhor fez isso? – perguntava Josué para seu pai.
-Meu filho, o cordeiro morreu para salvar a sua vida e a nossa.
Josué não estava entendendo nada do que seu pai falava.

Figura 7

Então o pai pegou o sangue do cordeiro e passou no umbral da porta da casa. E falou:
-A morte passará esta noite pelas casas do Egito, mas não entrará onde estiver passado o sangue do cordeiro.

Figura 8

Cada pai das famílias Israelitas fez a mesma coisa naquela noite. E todos comeram a PASCOA, o cordeirinho sacrificado. Todos estavam vestidos e preparados para sair de viagem.
Enquanto isso, a família orava ao Senhor; e Josué pensava em todos os fatos ocorridos.
-Lambi, você foi morto por mim? Será que seu sangue vai me salvar de verdade da morte e me trazer liberdade?

Figura 9

Mas, a meia noite, do jeito que Deus tinha falado pelo seu servo Moisés, a morte passou por sobre todos os primogênitos do Egito. Pessoas e animais. Em cada casa podia-se ouvir lamentos e prantos.
-Porque aconteceu isso com a gente? Porque os nossos deuses não impediram esta mortandade? – era o clamor dos egípcios.

Figura 10

Mas entre o povo de Israel tudo era muito diferente. Deus tinha guardado em paz e dado muita alegria a todos. O sangue do cordeiro tinha salvado os primogênitos. Todos estavam muito agradecidos a Deus.

Figura 11

Desesperado Faraó chamou Moisés e tomou por fim a grande decisão de deixar o povo de Israel ir e servir ao Senhor Deus.
-Vão de uma vez! Agora! Vão e sirvam ao seu Deus! –disse Faraó muito irado.

Figura 12
Todos os egípcios fizeram a mesma coisa, eles entregaram seus bens, roupas, gado, ouro, jóias, tecidos para os Israelitas. Os Egípcios ficaram com muito temor e deram a liberdade a todos os escravos. Agora eles eram livres, e já estavam prontinhos para sair. Tudo tinha acontecido como Deus tinha falado ao seu servo Moises.

Figura 13

Josué e todo o povo entenderam que graças à morte do cordeiro, eles tinham sido salvos e livres da opressão e do jugo de Faraó. Essa foi a primeira páscoa.
-Querido Lambi, nunca esquecerei que a sua morte me deu a vida!! –falou agradecido Josué.

Aplicação:
Esta é a historia da primeira páscoa. Os israelitas tiveram que derramar o sangue do cordeiro nas ombreiras e vergas das portas. Naquela noite, o primogênito de cada casa seria morto onde não houvesse sangue.
Vejamos João 1:29 Quem foi chamado de Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo?
Sim, Jesus! O sangue de Cristo foi derramado na cruz pelos nossos pecados. Nós éramos escravos do pecado destinados à morte. Mas, o Senhor Jesus Cristo morreu por todos, e derramou o Seu sangue por todos os pecadores, para que sejamos livres da morte, assim como os israelitas.
Porque Jesus é chamado de “Jesus a nossa Páscoa”? Porque assim como Lambi, ele morreu para que possamos viver!
Que poder tem o sangue de Jesus? 1 João 1:7
Assim como os Israelitas, para sermos salvos devemos crer que o sangue de Jesus, nosso cordeiro, é capaz de nos limpar de toda condenação e pecado. E depois de termos fé, depois de termos crido, devemos confessá-lo como nosso Senhor.
Certamente éramos escravos do pecado, mas fomos libertos da escravidão para vivermos uma nova vida. Cristo é quem nos liberta da escravidão do pecado.
A páscoa então era aquela ceia dos Israelitas antes da libertação. Jesus depois instituiu a nova páscoa. Nós celebramos a ceia que relembra Cristo, o nosso cordeiro pascal. Jesus é a nossa páscoa. E o mais maravilhoso é que Jesus não permaneceu morto, mas ao terceiro dia ressuscitou dentre os mortos! Ele está vivo e quer morar no seu coração.

E você amiguinho, quer receber Jesus, o cordeiro, no seu coração? Você quer entregar a sua vida a Jesus e passar em sua vida o Seu sangue que purifica e limpa de todo pecado? Você quer se alegrar nesta páscoa recebendo a liberdade e a salvação da morte?

Histórias pra fantoches!!! aproveitem!

17 de outubro de 2009 às 0:36 | Publicado em Uncategorized | 2 Comentários

Achei a Felicidade

BETO: Olá, Margarida! Não tenho visto você.
MARGARIDA: Estava de castigo, não pude sair.
BETO: De castigo? O que você andou aprontando Margarida?
MARGARIDA: Eu não estudei para a prova e as minhas notas não foram boas.
BETO: E quanto você tirou?
MARGARIDA: Dez, sem o um na frente
BETO: Dez?! Sem o um na frente? Então você tirou zero?
MARGARIDA: Fala baixo, ninguém precisa saber.
BETO: Margarida, seu pai tem razão. Você precisa estudar mais e brincar menos, senão vai ser pior. Voce não vai passar de ano. Cuidado, Margarida!
MARGARIDA: É, eu já pensei nisso e me arrependi de não ter estudado.
BETO: Margarida!
MARGARIDA: O que é, Beto?
BETO: Você viu?
MARGARIDA: Você viu o quê, Beto? O quê? Fala logo!
BETO: Você viu o circo que chegou na cidade?
MARGARIDA: Eu não, mas escutei um barulho de bandas tocando.
BETO: Foi o circo que chegou na cidade.
MARGARIDA: Beto, escuta só! Você está escutando alguém chorando? (ALGUÉM CHORA POR TRÁS DO CENÁRIO)
BETO: Estou, de onde vem este choro? Vamos ver? (BETO E MARGARIDA SE ABAIXAM, SAEM RAPIDAMENTE E ENTRA O PALHAÇO CHORANDO)
PALHAÇO: Buá! Buá! Buá! (BETO E MARGARIDA FALAM JUNTOS: “UM PALHAÇO CHORANDO!”)
BETO: Oh, seu palhaço! Por que você está chorando?
MARGARIDA: Eu achava que palhaço não chorava, só fazia palhaçadas.
BETO: O que houve?
MARGARIDA: É, vamos! Fale, o que houve? Qual é o seu nome?
PALHAÇO: Sabe o que é… eu consigo fazer todo mundo feliz, mas eu sou tão triste. Atrás desta máscara. eu escondo a minha Infelicidade.
MARGARIDA: Acalme-se seu, seu..
PALHAÇO: Paçoca. meu nome é Paçoca, Todos me chamam assim.
MARGARIDA: Acalme-se, Paçoca, nós estamos aqui e queremos ajudá-Io.
BETO: Qual é o seu problema?
PAÇOCA: Ninguém pode me ajudar, eu fui ao medico e ele me deu um bocado de remédios e não resolveu meu problema. Procurei um amigo, e todos estavam ocupados. Ninguém pode me ajudar!
BETO: Por que você está doente?
PAÇOCA: Não, não estou, tenho muita saúde
MARGARIDA: Está precisando de dinheiro?
PALHAÇO: Não, eu sou muito rico.
BETO: Já sei é advogado!
PAÇOCA: Não. Eu quero alegria e ninguém pode me dar nem ajudar. Se pelo menos eu pudesse comprar, mas nem isso posso.
BETO E MARGARIDA: Ah! Então é fácil
PAÇOCA: Fácil, como fácil? Vocês sabem de alguma solução?
BETO: Puxa, eu estava pensando que fosse um problema grave.
PAÇOCA: É grave, pois faço as pessoas sorrirem, se divertirem e no entanto, por trás da minha máscara, sou tão infeliz.
BETO: É fácil, Paçoca, você só precisa conhecer uma pessoa muito especial que se chama Jesus.
PAÇOCA: Jesus!
MARGARIDA: É, Jesus! Ele é o Príncipe da Paz, é a alegria que você tanto procura. Ele é o nosso Salvador! Vou cantar uma música para você. Escuta só, Beto, Vamos cantar aquele carinho que fala assim.
Cristo é realidade Cristo é realidade Ele não é sonho “: Ele é real
Ele é a paz, a alegria,
O amor, Ele é a vitória (bis) Estou falando de Jesus Cristo

PAÇOCA: Que lindo! E isso que eu preciso! Como posso vê-lo? Como posso falar com Ele?
BETO: Agora você não pode ver, porque Ele é Espírito, “. mas voce pode falar com Ele, pois nos ouve, e tudo pode fazer por você.
MARGARIDA: A Palavra de Deus fala assim em João .14.1: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus”, .e em João 14.14 nos diz: “Se pedirdes alguma coisa .em meu nome eu o farei”.
BETO: Sabe, Paçoca, Ele é como o vento. A gente não pode ver o vento, mas pode sentir.
MARGARIDA: Quando deixamos Jesus tomar conta de nossas vidas, Ele cuida de nós, nos livra do perigo e nos dá a paz que tanto precisamos.
BETO: Paçoca faz uma experiência com Jesus. Passe a conversar com Ele e fale pra Jesus onde é a sua dor. Ele é o Médico dos médicos, o nosso advogado e o nosso melhor amigo. Nunca nos desampara e nunca está ocupado.
MARGARIDA: Jesus ama você, Paçoca, e quer lhe dar a paz que tanto precisa. Deixa Ele tomar conta de você?
PAÇOCA: Eu deixo, eu deixo!
BETO: Então, abaixe sua cabeça, peça perdão por seus pecados e que Jesus tome conta de você.
PAÇOCA: Tá bom! (OS TRÊS ABAIXAM A CABEÇA E FAZEM DE CONTA QUE ORAM)
PAÇOCA: Puxa! Estou me sentindo bem, parece que alguma coisa me modificou. Estou sentindo uma paz… Estou alegre.
BETO: Que bom! Você encontrou a felicidade.
MARGARIDA: Paçoca, vou lhe dar esta Bíblia. Ela vai ensinar a você como chegar ao céu e ver Jesus face a face.
BETO: Leia com atenção, pois aí tem resposta para tudo que você quiser.
PAÇOCA: Obrigado, meus amigos! Eu encontrei a felicidade que tanto precisava. Vou ler a Bíblia agora mesmo. Tchau! Até breve!
Margarida e Beto cantam:

A alegria está no coração, De quem já conhece a Jesus
A verdadeira paz só tem aquele Que já conhece a Jesus
O sentimento mais precioso Que vem do nosso Senhor É o amor que só tem
Quem já conhece a Jesus

O MAIS IMPORTANTANTE É JESUS

Maria Linguaruda (CANTAROLANDO) Lá, lá, lá…
Maga  Olá, Maria Linguaruda, você está tão bonita!
Gugu  É mesmo, Maria Linguaruda!
Maria Linguaruda  Obrigada! Minha mãe faz uma roupa nova para mim todos os dias.
Maga  Puxa! Que beleza!
Gugu  E os seus sapatos! Que lindo!
Maria Linguaruda  A minha mãe compra sempre um sapato novo para combinar com as roupas que eu tenho.
Gugu  Sua mãe deve ser muito rica, Maria Linguaruda!
Maga  É mesmo! Para fazer tudo isso por você tem que ser muito rica.
Maria Linguaruda  É verdade. Tudo o que eu quero ela me dá. Ela tem muito dinheiro e pode comprar tudo.
Gugu  Tudo não! Eu sei que ela não pode comprar uma coisa…
Maga  O quê, Zeca?
Gugu  Ela não pode comprar a vida de ninguém, porque a vida pertence a Deus.
Maria Linguaruda  Ah! Isso aí é, né? Eu não tinha pensado nisso, claro.
Maga  Você tem muitos brinquedos?
Maria Linguaruda  Claro que tenho! Eu não sei o que eu ainda não tenho de brinquedos.
Maga  Puxa, então leva a gente para brincar um pouquinho na sua casa.
Maria Linguaruda  Não, não posso, minha mãe não deixa brincar com eles, porque vocês podem estragar tudo.
Maga  Quer dizer que você não pode levar seus amigos para brincar com seus brinquedos?
Maria Linguaruda  Às vezes. Com alguns colegas, né?
Gugu  Acho que você não é muito feliz. Eu e a Maga juntamos os nossos brinquedos todos os dias. A gente se diverte muito. Brinca na terra, dá cambalhotas na grama, sobe nas árvores, faz uma festa.
Maga  Nós somos pobre, mas temos um tesouro maior que todas as pessoas ricas.
Maria Linguaruda  Tesouro, vocês tão pobres têm tesouros? Ah! Ah! Ah!
Gugu  É verdade! Temos sim, e esse tesouro pertence ao nosso pai do céu. Ele é o Rei dos reis. Nós temos dois pais: um do céu e um aqui na terra que mora comigo. O Pai do céu é o dono do tesouro, e nós somos filhos dEle, por isso somos seus herdeiros. Lá no céu tem um palácio preparado para nós. Só quem tem Jesus vai morar lá.
Maria Linguaruda  Palácio! Ah! Ah! Ah! Os meus pais são ricos.
Maga  Não, Belinha. Você está enganada. Nosso pai do céu foi quem criou todas as coisas. Até onde você mora e o que você tem é dEle. Apenas está emprestado para você. Onde eu moro, também! Ele é o dono de tudo.
Maria Linguaruda  Emprestado? Vocês estão enganados, vou perguntar aos meus pais. Eu não acredito em vocês!
Narrador  Os dias se passaram e Maria Linguaruda não esqueceu o que seus amigos falaram. Perguntou a seus pais se na verdade Jesus (Deus) era o criador de todas as coisas e se apenas Ele poderia dar a vida e tirá-la. Seus pais assim confirmaram. Depois, passados alguns dias, Maria Linguaruda ficou muito enferma, e seus pais gastaram todo o dinheiro para que ela ficasse boa. Mas não obtiveram sucesso.
Maria Linguaruda, muito fraquinha, lembrou-se das palavras de seu amigo, que havia dito que o dinheiro não poderia comprar a vida, mas Jesus poderia curar e salvar. E, naquela hora, os pais de Maria Linguaruda reconheceram que as crianças estavam certas. Então as convidou para visitá-la, e elas oraram por Maria Linguaruda e seus pais.
No dia seguinte…
Gugu  Olá, Maria Linguaruda! Puxa! Como a sua casa é linda, hein!
Maga  Você está melhor, Maria Linguaruda?
Maria Linguaruda  Que bom ver vocês! Agora estou bem melhor. Jesus me curou e graças a vocês eu aprendi que o dinheiro não é tão importante. A gente morre e tudo fica. O principal é a nossa salvação. Quase perdi minha vida. Agora posso dizer: Sou feliz! Jesus me salvou! Jesus me curou!
Maga  Que bom! Jesus é um tesouro que não se acaba.
Gugu  Na terra, tudo se consome e perde seu valor. Se cair uma bomba e destruir tudo, de nada vai adiantar o dinheiro. Mas quem tem Jesus tem tudo.
Maria Linguaruda  É mesmo. Obrigada! A partir de hoje, eu quero que vocês venham brincar sempre aqui com os meus brinquedos.
Narrador  E assim Maria Linguaruda aprendeu que o dinheiro não compra a salvação, pois o preço que Jesus pagou na cruz do Calvário não tem valor que pague. Ele é o nosso maior tesouro. Jesus é o tesouro mais importante desta vida!

JESUS, TEU NOME É DOCE COMO MEL!

17 de outubro de 2009 às 0:26 | Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

MEU AMADO JESUS

ESTOU AQUI NESSA TARDE

EM POSIÇÃO DE ADORAÇÃO

PARA TE CONFESSAR

QUE NADA SOU SEM A TUA LUZ

QUE PRECISO MUITO DE TI

E QUE PARA MIM, BASTA O TEU NOME

PRA QUE MINHA VIDA MUDE

MEUS ANSEIOS E DORES PARTAM

MINHA ALMA SE ALEGRE

MINHA MENTE ENCONTRE EQUILIBRIO

E MEUS MEDOS SE VÃO.

JESUS

JESUS

5 LETRAS MARAVILHOSAS!

AMANDA MARLA

Como fazer a sua monografia

20 de fevereiro de 2009 às 1:02 | Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Com o intuito de ajudar aos meus alunos no processo da confecção de monografias, disponibilizo neste link orientações práticas para que você possa fazer a sua monografia.

Veja nos endereços abaixo o material que está disponivel: Clique aqui

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.